06.08.1929 | Carta a Ferdinand Alquié [Πάντα ῥεῖ – Hiatus Irrationalis]

Lettre à Ferdinand Alquié du 6 août 1929 ]

Inédito.

Esta tradução foi feita com base na transcrição da versão abaixo, manuscrita, endereçada a Ferdinand Alquié. Este poema foi publicado numa versão diferente em Phare de Neuilly, 1933, n. 3-4. (Nos primeiros números dessa Revista encontram-se fotos de Braissaï e Man Ray, bem como uma poesia de James Joyce. No número 3-4, ao lado de Jacques Lacan estavam Hans Arp, Ivan Goll, Miguel Asturias e Raymond Queneau). Ele também foi publicado em Magazine Littéraire, 1977, n. 121, numa versão um pouco diferente.

 

Πάντα ῥεῖ[1]

Coisas, carreguem suor ou seiva no seu veio,
Formas, tenham da forja ou do sangue vindo,
Vossa torrente bate não meu devaneio,[2]
Não cessando o desejo, as vou perseguindo,

Atravesso voss’água, despenco no esteio
Vai o peso do demo pensante gerindo;[3]
Só, cai no duro chão que tem do ser o enleio,
O cego e surdo mal, o deus de senso findo.[4]

Mas, se todos os verbos na goela definham,
Coisas, vindo [5] do sangue ou da forja tenham,
Natureza — no fluxo elemental vou indo:

O que adormece em mim, vos edifica em cheio,
Formas, carreguem suor ou seiva no seu veio,
Vosso imortal amante, no fogo é que deslindo.

                   [6] Melancholiae Tibi Bellae. Hardelot. 6 agosto de 1929

[Assinado] J. Lacan

 

 


[1] O título deste poema em Le Phare de Neuilly e noutras publicações é “Hiatus irrationnalis”. (N. de E.)
[2] Em Le Phare de Neuilly, em vez da vírgula há um ponto e vírgula. (N. de E.)
[3] Em Le Phare de Neuilly,  em vez do ponto e vírgula há um ponto. (N. de E.)
[4] Esse verso foi omitido na versão Magazine Littéraire, não resultando mais num soneto. Em Le Phare de Neuilly, o artigo foi substituído as duas vezes por “no”. (N. de E.)
[5] As versões Le Phare de Neuilly e Magazine Littéraire indicam “nascido” em vez de “vindo”. (N. de E.)
[6] Apenas a versão manuscrita a F. Alquié traz essa menção. As outras indicam “H.P., agosto de 1929, Jacques Lacan”. (N. de E.) [Do latim: “A ti, bela melancolia”. (N. de T.)]

 

640px-Le_Phare_de_Neuilly_3-4_1933

Número 3-4 da Revista Le Phare de Neuilly, onde o poema seria posteriormente publicado